EXPLORE

foco in cenafoco in cena

Ampliar
Boca Cheia D'Água
Anterior
Boca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'Água
Boca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'Água
Boca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'ÁguaBoca Cheia D'Água
Anterior
AssistirPrograma

Boca Cheia D'Água

O Trem - Companhia de Teatro (MG / Brasil)

Direção: Marcelo Carrusca e Bruna Longo

(2016)

O espetáculo mostra parte do cotidiano das prisioneiras de Ravensbrück, o maior campo de concentração feminino durante a II Guerra. Apesar das personagens serem fictícias, suas histórias são baseadas em depoimentos reais de sobreviventes do campo. As personagens representam várias mulheres em cada uma, da mesma forma que as atrizes representam a diversidade étnica e cultural de várias regiões do nosso país.

Ravensbrück foi inaugurado em maio de 1939, e foi um dos últimos campos a serem libertados pelas tropas soviéticas em 1945. O local foi o maior campo de concentração nazista para aprisionamento de mulheres e foi estimado que mais de 130 mil mulheres tenham sido lá encarceradas. Além da crueldade já conhecida pela qual os prisioneiros foram submetidos dentro dos campos de concentração, as mulheres sofreram ainda mais pelos crimes específicos de gênero, como estupros, abortos, esterilização e prostituição forçadas.

Falar sobre assuntos relacionados ao Holocausto gera certa repulsa misturada com curiosidade. Na maioria das vezes olhamos para este acontecimento de forma distanciada, como se fosse um passado muito longínquo, de um país distante, praticado por pessoas muito diferente de nós e não passível de ser repetido. Desta forma, o espetáculo pretende quase negar a presença desta crueldade velada e, talvez, de proporções menores que está a nossa volta.

Esse espetáculo não é sobre a Segunda Guerra. Não é apenas sobre Ravensbrück. Não é mais somente sobre a opressão feminina, como a companhia tinha intenção de tratar num primeiro momento. É sobre manter os olhos e ouvidos atentos, sobre manter o senso crítico alerta, sobre entender os paralelos, as linhas, as voltas e retornos históricos.

A encenação é apresentada ao público de forma intimista, onde as pessoas são convidadas a se sentarem o palco, dentro de uma instalação-cenário, unindo e aproximando a experiência de atores e plateia num só ambiente.

Ficha Técnica

Direção: Marcelo Carrusca e Bruna Longo

Dramaturgia: Livia Gaudencio e Cecilia Bilanski

Cenário: Ed Andrade

Figurino: Kleber Montanheiro

Iluminação: Luana Gouveia

Atuação: Cláudia Assunção, Janaína Amorim, Livia Gaudencio e Raiani Teichmann

Produção: Tríplice Cultural (São Paulo/SP)

Realização: O Trem ?" Companhia de Teatro (Belo Horizonte/MG)

Divulgue

Entre em CenaAssistiu esse espetáculo?
Tem algo a nos dizer sobre sua experiência com ele?
Então comente aqui e nos ajude a construir esta história.

FECHAR

Concorra a uma impressão fine art das suas fotos favoritas preenchendo seu nome e e-mail nos campos abaixo. Você fará isso uma única vez a cada acesso ao site, independentemente de quantas fotos marcar. Saiba mais em www.focoincena.com.br/foto-do-mes.


Fechar