EXPLORE

foco in cenafoco in cena

Ampliar
Trivial Simples
Anterior
Trivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial Simples
Trivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial Simples
Trivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial Simples
Trivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial SimplesTrivial Simples
Trivial SimplesTrivial Simples
Anterior
Programa

Trivial Simples

Grupo Teatral Encena (MG / Brasil)

(1991)

O cotidiano. O trabalho. O lar. A sedução. A violência. A dominação. A culpa. O sim e o não. O prazer. O poder. A morte.

Sobre esses signos as sete jornadas da peça de Nelson Xavier são construídas. Uma peça que de trivial simples só tem a aparência. O trivial cotidiano, a vida simples e barata que os personagens representam. Oscar e Ema no ritual doméstico, entre cobranças e desejo de felicidade.

O tema do não ?" o dizer sim/não ao poder do chefe vampirizado ?" se infiltra na casa do funcionário, e se transforma no ?não saber dizer não", na busca de segurança. Não se consegue abolir a opressão, uma das formas em que a sedução se apresenta no mundo. Virulência que contagia, a luta pelo poder, fora e dentro de casa, e satura o casal, pouco a pouco, da primeira a última jornada.

O sexo se torna terror. O chicote entra em cena. E a dança porrada. O gozo é negado. Verdadeiro contágio do terror, e ao mesmo tempo, seu fascínio. Entre chazinhos e banhos de assentos, os personagens vão construindo o fatal, o que resta de seus sexos ?" ?essa partícula do destino que nos resta".

Servidão ao chefe. Servidão ao marido. Servidão voluntária e incertezas involuntárias. Se o sistema de poder organiza como pode a ordem, o indivíduo falido moral e economicamente constrói sua desordem. Oscar e Ema se destroem ou são destruídos por um vírus devastador que se apodera do oprimido ?" a violência da debilidade diante da sedução e do poder. Oscar e Ema teriam direito ao desejo, ao gozo? Ou à vida? Tudo se torna absurdo diante da morte. Direito à morte. Eis o absurdo que nos coloca Nelson Xavier, e que Wilson Oliveira, em sua direção sublinha. A abolição do direito e do prazer acarreta a liberação do crime. Formas monstruosas da alteridade.

Vera Casa Nova

(Professora de Teoria da Literatura ?" UFMG) ?" Setembro / 1991

Texto transcrito a partir do programa original do espetáculo

Ficha Técnica

Autor: Nelson Xavier

Em cena: Yara de Novaes, Gustavo Werneck

Direção: Wilson de Oliveira

Assistente de direção: Paulo André

Concepção do cenário: O grupo

Desenho: Ivana Andrés

Execução do cenário: Felício Alves e Ricardo Bah

Figurino: Wanda Sgarbi

Iluminação: Felício Alves

Trilha sonora: Cláudia Cimbléris e Cláudio Brant

Gravação da trilha: Marcelo Alkimim

Maquilagem: Make-up Company

Programação visual: Ferruccio

Divulgação: Wilson Oliveira

Produção: Grupo Teatral Encena

Divulgue

Entre em CenaAssistiu esse espetáculo?
Tem algo a nos dizer sobre sua experiência com ele?
Então comente aqui e nos ajude a construir esta história.

FECHAR

Concorra a uma impressão fine art das suas fotos favoritas preenchendo seu nome e e-mail nos campos abaixo. Você fará isso uma única vez a cada acesso ao site, independentemente de quantas fotos marcar. Saiba mais em www.focoincena.com.br/foto-do-mes.